UMA DIDÁTICA DA INVENÇÃO (M. BARROS)

AS COISAS QUE NAO EXISTEM SAO MAIS BONITAS

(FELISDÔNIO)

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Água







Água é vida. Mas é também transparência, calmaria, fluidez, purificação e, principalmente, transformação. Não dizem que nunca nos banhamos no mesmo rio, por causa do movimento das águas?

Quando a Nathalie me convidou para participar do ensaio, ela me deu duas possibilidades: ar ou água. Sem nem pensar aceitei a água, porque faz parte do meu sobrenome. Fui, num domingo, à casa dela pra fazermos as fotos. Tivemos que mudar de idéia na última hora porque o tempo não colaborou: estava friozinho e não seria fácil entrar na piscina naquele dia. Ela já tinha pensado numa outra possibilidade: a água em seu estado sólido, o gelo. Achei muito interessante e ao mesmo tempo difícil. Como dar a intenção de gelo? Confesso que no início, estava meio envergonhada, como a maioria das fotografadas, segundo a própria fotógrafa, mas depois, em vez de continuar gelada, fui quebrando o gelo e a água foi fluindo.

Mas só fui entender de verdade o que seria aquilo quando vi as fotos prontas. Foi só a partir daí que senti a força da água em mim. E fiquei pensando muito nisto. No que a água significa para o ser humano, qual é o lugar dela e porque eu, e apenas outros poucos da minha família, seriam tão privilegiados em carregá-la no nome.

Senti meus pensamentos como uma enxurrada e numa epifania a água que há em mim me transformou de alguma maneira. Nunca tinha dado importância a esse nome, aliás, quando criança tinha vergonha dele, pois ele me dava de presente vários apelidos engraçadinhos: cachoeira, aguada, riacho e outros correspondentes. Mas, quando parei pra pensar um pouquinho no que esse nome poderia me trazer de positivo, a enxurrada desceu e me transformei, purificando-me.

Assim como a água, estou sempre em transformação: líquido, gasoso, sólido. Muitas vezes tento ser sólida, mas quando vejo já estou líquida. O estado gasoso descobri só depois do ensaio. É um estado de transcendência psíquica e espiritual. Senti a força que posso ter se desejar. E senti também a transformação dentro de mim depois dessa experiência única: meu rio estava estagnado, não tinha pra onde correr. Hoje, sinto suas águas fluírem e me trazerem, a todo instante, a sensação de renovação, libertação e paz.

4 comentários:

Nathalie disse...

Lindo texto mulher, lindíssimo...tão forte e suave quanto a água.

Vc transborda feminilidade e nem sabe...

beijos!

Gauche disse...

Lindíssimo texto.

A exposição não seria a mesma sem ele.

Dani disse...

Obrigada, meninas!
eu tb nao seria a mesma sem as fotos...

Nathalie disse...

Ah sim! Novo blog: http://asbalzaquianas.wordpress.com

Eu e a Gauche fizemos uma parceria!
Depois vai lá dar uma olhada!!

Bjao!